Prótese de retina devolve parcialmente visão a ratos nos EUA

Um estudo divulgado na segunda-feira na revista científica PNAS mostra que uma prótese de retina conseguiu devolver parcialmente a visão a ratos cegos. Segundo os pesquisadores, o equipamento pode ser desenvolvido para humanos. As informações são do site da Nature.

Mais de 20 milhões de pessoas no planeta estariam cegas devido à degeneração da retina, uma fina membrana no fundo do olho que transforma a luz em um sinal para os neurônios. Uma prótese já está em uso por médicos, ela permite aos pacientes ver letras, mas não distinguir faces.

Sheila Nirenberg, pesquisadora da Universidade Cornell, em Nova York, afirma que, apesar de fina, a retina tem uma série de padrões de nervos que parecem codificar a luz. "O problema é: ninguém sabe o código", diz a cientista.

Ela e o estudante Chethan Pandarinath criaram um código para desenvolver um equipamento que consegue devolver parte da visão aos roedores. Eles começaram injetando células nervosas nas retinas dos animais com vírus modificados geneticamente. Os micro-organismos produzem uma proteína sensível à luz que leva as células a mandar sinais para o cérebro, desenvolvendo, assim, uma função parecida com as estruturas sensíveis do olho (as células chamadas de cones e bastonetes).

Isso não é inédito – outros pesquisadores já usaram vírus em retinas. Contudo, os dois pesquisadores foram além: além de enviar sinais visuais diretamente no olho, eles os processaram usando um código desenvolvido a partir da observação de como retinas saudáveis respondiam a estímulos ópticos.

Sheila afirma que espera testar a técnica em humanos em breve (um ou dois anos, segundo ela). A cientista afirma que o processo é simples o suficiente para ser feito por um microchip ligado a uma câmera presa a um par de óculos. Os sinais da câmera seriam enviados para as células nervosas do olho. Se funcionar, ela acredita que o tratamento seria simples o suficientes para ser feito em consultórios.

NeuroCurso ® Todos os Direitos Reservados.