Os mistérios do lobo frontal revelados pelo paciente mais famoso da história da neurologia: Phineas Gage

Como o paciente mais famoso da história da Neurologia ajudou a revelar como o cérebro humano controla emoções e relações sociais

Às 16h30 do dia 13 setembro de 1848, perto da pequena cidade de Cavendish, Vermont, New England, um acidente mudou por completo a história da neurologia e da compreensão da mente humana.
.
Phineas P. Gage de 25 anos, trabalhava na Rutland and Burlington Railroad. Estavam tentando explodir uma pedra no caminho da ferrovia. A tarefa era inserir pólvora num orifício na rocha, por meio de uma barra de ferro. O atrito provocado pelo longo bastão de ferro na parede da estreita fenda gerou uma centelha que atingiu a pólvora.
.
O maciço bastão de 1m de comprimento e 3,5cm de diâmetro, pesando 5,8kg atingiu Phineas Gage bem abaixo do olho esquerdo rompendo seu crânio, saindo por um orifício no topo da cabeça e projetando-se a quase 50m.

.
Fragmentos de ossos do crânio foram retirados do seu cérebro e a ferida foi coberta. Todas as complicações ocorreram: Hemorragias, infecções mas Gage se recuperou.
.
Gage tornou-se irritadiço, irreverente, grosseiro e profano (aspectos que não faziam parte da sua personalidade). Manifestava pouco respeito por seus amigos e grande impaciência quando alguns conselhos limitavam ou conflitavam com seus desejos. Sua mente havia mudado radicalmente! Em decorrência dessa mudança de personalidade, foi demitido.
.
O novo Phineas Gage foi rejeitado por seus antigos empregadores e passou a viajar pelos Estados Unidos e América do Sul, exibindo-se em teatros juntamente com a haste que havia perfurado seu cérebro.
.
Gage morreu em 1860, em São Francisco, Califórnia, 12 anos após o acidente. Sua mãe doou seu crânio e a haste de ferro ao Dr. John Harlow (médico que o atendeu na época). Este, por sua vez, algum tempo depois, doou-os à Universidade de Harvard.
.
O caso mais famoso da história da Neurologia revelou como lesões do córtex orbitofrontal levam a comportamento social inapropriado ou desinibido e à labilidade emocional. Os pacientes têm dificuldade no processamento de informação que implique juízos morais e carga emocional, manifestando falta de sensibilidade interpessoal. (adaptado de Madeira, Nunes)

4 de março de 2020
NeuroCurso ® Todos os Direitos Reservados.